buscar

Visual Merchandising: a hora de envolver o consumidor

Atualizado em: 21/07/2019

 

 

Com o crescimento acelerado do comércio online, o PDV precisa oferecer motivos para o consumidor querer se relacionar com seu negócio. O Visual Merchandising entra como um ponto fundamental nessa estratégia, ficando a cargo de transformar a experiência de compra em uma jornada envolvente.

O Visual Merchandising está em um dos seus momentos mais diversificados e criativos: lojas de todos os tamanhos, em qualquer segmento, podem utilizá-lo para despertar o desejo de compra no cliente.

Muitas tendências mundiais de Visual Merchandising podem ser adaptadas à realidade da sua loja:

 

Contando estórias (Storytelling): toda campanha pode aumentar o potencial de interesse no produto por meio de uma boa estória. O importante é que ela seja coerente, com início, meio e fim. A estória contada pela loja precisa ter elementos que envolvam a audiência e isso pode ser conseguido por meio da integração online com o PDV, por exemplo.

Quanto mais detalhes interessantes houver, mais o público se relacionará com a campanha. Um exemplo é O Boticário, que tem suas campanhas muito bem marcadas, organizadas e com uma identidade visual que permeia toda a rede.

Manequins: cada vez mais o PDV tem a função de contar estórias e um dos elementos mais importantes são as personagens. Muitas lojas já perceberam essa tendência e começaram a organizar seus manequins como se estivessem interagindo de alguma forma com o espaço e com o consumidor. Tudo isso precisa ser aplicado de modo coordenado para que a estória chame a atenção para o produto e não o contrário.

Cross Media: displays eletrônicos compondo o ambiente da vitrine com manequins e experiência com o produto em multiplataformas são algumas possibilidades do uso de mídias cruzadas. Esses recursos ajudam a tomada de decisão de compra, pois despertam sensorialmente o consumidor.

Ambientes “instagramáveis”: cenários bonitos e com boa luz são convites a fotografias. Esse recurso pode ser utilizado de maneira sazonal (nas trocas de campanha) ou fixa. Geralmente, as marcas incentivam o uso de hashtags (#) para que seja possível monitorar o alcance da ação.

Retrô: muitas lojas estão inserindo elementos retrô em seu mobiliário e decoração para trazer uma sensação de aconchego ao PDV. Na maioria dos projetos essa leitura vem com um tom mais contemporâneo. Este tipo de recurso deve ser cuidadosamente estudado, pois nem todas as marcas podem seguir essa tendência.

Elementos naturais: as marcas têm buscado agir de modo mais consciente, diminuindo a quantidade de materiais poluentes em suas campanhas. Um exemplo é o uso, nas vitrines das lojas, de materiais orgânicos para compor o cenário – como tocos de árvores, cestas de vime, suculentas e cactos.

 

É importante observar que as tendências são importantes para ajudar a planejar ações e direcionar esforços, mas elas estão em constante mudança. Vale sempre observar quais irão de fato contribuir para os negócios e, sobretudo, aumentar a percepção de valor do cliente. Uma marca deve trabalhar de modo a ser escolhida pelo seu cliente mais de uma vez.