Empreendimentos

buscar

Shoppings se tornam polos culturais com diversas atrações para frequentadores

Atualizado em: 13/04/2018

O International Council of Shopping Centers (ICSC), em seu relatório Envision 2020, revela que os shoppings estão assumindo um papel mais importante na vida cultural de seus frequentadores. Uma prova disso, é que para 63% dos clientes que vão ao shopping estão em busca de lazer, entretenimento, cultura e alimentação, segundo a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

Nos empreendimentos da General Shopping Brasil, essa tendência também está presente: os malls têm se tornado polos culturais, com a oferta de atrações musicais, exposições, eventos, apresentações teatrais e shows.

Exposições são frequentes nos shoppings, com diferentes formatos e focos: neste mês de abril, por exemplo, o Parque Shopping Maia recebe a exposição “Paisagens Brasileiras”, da artista Rosângela Santos, que retrata, com belas paisagens e cores vivas, regiões do Brasil como Pernambuco, Minas Gerais e Maranhão. O Shopping Bonsucesso, por sua vez, realiza a exposição “Realidade x Fantasia”, com 22 obras de artistas locais que percorrem os universos do cinema, cultura pop e fantasia para criar quadros com referências a personagens famosos de séries, filmes e livros.

As áreas de estacionamento também se convertem em oportunidades. Um exemplo é o Parque Shopping Sulacap, que, no último domingo de cada mês, realiza o Samba Lá Fora, uma grande roda de samba com a presença de nomes tradicionais e revelações da música carioca. A cada edição, cerca de 5 mil pessoas se divertem e provam as comidas dos food trucks do evento. O Parque Shopping Maia e o Parque Shopping Sulacap contam com o Cinematerna, uma sessão de cinema gratuita para mães com bebês de até 18 meses, seguida de um bate-papo que permite a troca de experiências entre as mulheres sobre diversas questões relacionadas à maternidade. O evento reúne, a cada mês, mais de 200 mães com seus bebês.

A realização de atividades culturais, ao mesmo tempo em que contribui para o aumento do tempo médio de circulação dos clientes nos shoppings (em média, cada pessoa permanece por 1h15 no mall, segundo a Abrasce), faz com que o público circule pelos empreendimentos e, assim, aumenta o fluxo em frente às lojas e a possibilidade de que o lojista atraia o cliente por meio da vitrine, produtos e promoções. Além disso, cria outros vínculos com os consumidores, com base não somente na venda de produtos, mas principalmente na geração de experiências.